Férias 2016

Foto Blog_Mapa

Está chegando a hora!!!

Férias 2016Japão e Dubai – de 03 a 21/06/2016

Em 2013 resumi minha ida ao Japão da seguinte forma:

Valeu ir para o Japão. Foi uma viagem de reconhecimento de terreno, eu diria. As coisas que mais chamaram a minha atenção foram a cultura, a educação, a civilização. ……. Saímos do Japão com uma sensação de quero mais e a de que muita coisa pode ser diferente. ……. No fim da viagem, já estávamos falando que precisaríamos ficar pelo menos 3 dias em cada lugar, que faltou tempo em Tokyo, que precisávamos conhecer Hokkaido, Hiroshima e Nagasaki. Enfim, essa é outra história. Quem sabe….” Continue lendo “Férias 2016”

Férias 2015 – Retrospectiva

Férias 2015 – de 07 a 27 de junho

Mapa da viagem 2015

 

Uma nova viagem pela Ásia!

Dessa vez fomos para o Vietnã, Camboja, Tailândia, Indonésia e Singapura.

Depois de tantas expectativas, com a sensação de um sonho realizado, a viagem chegou ao fim.

Foram dias maravilhosos ao lado de um grupo igualmente maravilhoso.

Camboja_Siem Reap_Wat Bo Pagode

 

O que falar depois que tudo passa?

Como eu disse em algum lugar, deixar para publicar na volta faz com que muitas emoções se percam. Apesar disso, ao rever o que fizemos e o que vimos, foi como assistir de novo a um filme que muito agradou da primeira vez.

A palavra nesse momento não poderia ser outra: Saudade!

Que sensação gostosa! É uma saudade de quero mais. É uma saudade de momentos vividos em sua plenitude porque aproveitei muito, curti os lugares e fiz tudo que estava ao meu alcance para viver os dias da melhor forma possível.

Não posso falar pelo grupo porque cada um viveu o seu momento. O meu foi ótimo! No entanto, os registros mostram que todos estavam na mesma sintonia, aproveitando bastante, também.

Obrigada pelo carinho e pela companhia Huang, Tony, Thera, Sílvia, Kátia, Flávio, Mariane. Sônia, Braga, Solange, Shirley, Vani, Regina, Luiz, Márcia, Ami, Michico, Janet e Gilka.

Obrigada Lao (Hanói), Ha (Camboja), Pam (Bangkok), Lolo (Bali) e Wang (Singapura), nossos guias locais.

Agradeço, também, a todos que nos receberam e programaram tudo (e aí Huang e Tony também entram) para que nossas férias fossem completas.

E, de forma especial, meu agradecimento a Deus por mais essa oportunidade.

Até a próxima!

Bali_À espera do sol

 

Férias 2015_Resumo da viagem

Vietnã

Halong Bay_Ti Top Island

O que se pode dizer depois de 5 dias no norte do Vietnã?

Valeu visitar essa parte do país, ainda que sem os encantos do Vietnã que a gente espera de um país que viveu momentos difíceis, acompanhados por muitos de nós. O norte ficou fora da história vivida pelo povo do sul, onde tudo aconteceu.

Hanói é uma cidade interessante. Suas 36 ruas sinuosas e caóticas, tomadas por motos e onde se vende de tudo, representam o Old Quarter (Khu phố cổ Hà Nội), o centro nervoso de Hanói. É lá que se concentram bares, cafés em profusão, comércio em geral etc. O Lago Hoan Kiem, além de ser um dos locais mais agradáveis da cidade, é um ponto de referência para não se perder porque as ruas ao redor são um verdadeiro labirinto.

Fazer um cruzeiro pela baia de Ha Long, conhecer a Vila dos Pescadores e arredores compensaram a viagem.

A comida é ótima, o povo receptivo, a massagem deixou saudade e o idioma não foi barreira para a comunicação.

Os cinco dias passados no Vietnã valeram porque vimos coisas que não estão nos livros e que nos atraíram. A cada momento um detalhe chamava a nossa atenção para algo diferente.

Por exemplo: cortinas roxas do lado de fora, na janela de todas as casas. Na outra cidade, azul era a cor. De comum mesmo, entre todos os lugares, foi o cemitério de um ou mais túmulos no meio dos arrozais, que estão por toda parte.

Para garantir a autenticidade da água que bebemos, ela vinha lacrada e a marca dominante por onde passamos é La Vie. Motos proliferam por toda parte e são visivelmente em número maior do que carros.

As mulheres usam proteção quase total e os homens nem tanto. Vimos pouquíssimas motos típicas do país, aquelas que carregam tudo e mais um pouco.

Quase nenhum exagero por lá. Nessa época do ano, junho, lichia, manga, melancia, mangostim e pitaya se destacaram como as melhores frutas.

Nosso guia, Lao, foi muito atencioso e cumpriu o programa estabelecido. Ele nos mostrou o que Hanói tem de melhor e cuidou para que tivéssemos uma visão geral do Vietnã quando, nos intervalos entre um lugar e outro, nos contava as histórias do povo, seus costumes, experiências pós-guerra e a vida como é hoje. Foi bom, muito bom!

Adorei ter ido, mas saí de lá com a sensação de que não vi muita coisa que gostaria de ter visto, coisas que estavam no sul do país. Da próxima vez? Quem sabe…..

Camboja

Camboja_Templos Bakong_Preah_Lolei_Banteary Srei

Para mim, Camboja significava uma passagem entre o Vietnã e a Tailândia. Fui sem nenhuma expectativa e me surpreendi.

O que vi, os sabores que provei e os cheiros que senti me cativaram. Camboja é uma delícia. Nem foi preciso fazer troca de moeda. O dólar é aceito em qualquer lugar, sem o menor problema. Amei!

Em quatro dias conhecemos parte da sua história, conhecemos um povo amável, que trata o turista com carinho, com cuidado. Eles são muito pobres e não possuem uma política salarial definida. Estão lutando por um salário mínimo de 250 dólares e médicos almejam salário de $350.

Camboja é um Estado soberano, localizado na porção sul da península da Indochina, no Sudeste Asiático.

Embora não seja a Capital (Phnom Penh), Siem Reap é o destino de quase todos os turistas e a rede hoteleira é vasta e excelente. Ainda assim, muitos lugares não possuem calçadas e a energia não é constante, tanto é que nos foi recomendado levar lanternas.

Ha, nosso guia, iniciou seus trabalhos nos levando a uma cerimônia budista para que fôssemos abençoados pelos monges e aprendêssemos um pouco sobre os ensinamentos e preceitos religiosos budistas.

Depois nos mostrou o que o Camboja possui de melhor. Foi surpreendente! Seu profissionalismo nos ajudou a conhecer cada ponto de maior interesse e da cultura local, porque soube aproveitar muito bem o tempo em que lá estivemos.

Sua estratégia de nos tirar da cama bem cedo nos ajudou a conhecer os lugares com mais conforto por ser um horário mais fresco. No período da tarde, quando o calor já estava se tornando mais intenso, estávamos de volta ao hotel para aproveitarmos o resto do dia da maneira que desejávamos. Além disso, evitávamos nos expor à chuva que insistia em cair depois das 15h.

Missão cumprida, deixava à nossa escolha a massagem, o hotel e a cidade de Siem Reap, lugares que foram bem aproveitados.

Saí de lá satisfeita com o que vi e com a sensação de quero mais, de tão bom que foi.

Tailândia

Templo_Emerald Buddha (Wat Phra Kaew)

Ficamos pouco tempo em Bangkok. Tempo insuficiente para uma cidade tão grande e com um trânsito muito pesado.

Eu imaginava uma cidade como a que vemos nas revistas. Decepcionou um pouco. Pode ser bobagem mas, para mim, Bangkok parece um misto de Amsterdã com Veneza, sem os encantos de ambas.

Como nosso tempo foi muito bem aproveitado, até que fizemos muitas coisas e conhecer o Templo do Buda de Jade, o Mercado flutuante e a massagem tailandesa já garantiram o quesito “valeu a viagem”.

Os shows que nos foram oferecidos, a visita à fábrica de açúcar de coco e o excelente hotel completaram esses dois dias.

Pam foi nossa guia na Tailândia. Um amor de pessoa, que tinha uma dificuldade imensa com a língua. Pensava estar se comunicando, mas não se fazia entender muito bem. Ainda assim, para nossa sorte e a dela, também, conseguimos aproveitar.

Como o trânsito congestionado de Bangkok roubou parte do pouco tempo que tínhamos na cidade, nossa programação se adequou a ele e Pam teve pouco trabalho, porque economizou nas palavras. Nosso ouvido agradeceu e não nos decepcionamos com sua performance.

Apesar de fazer uma ideia completamente diferente do que vi, gostei de ter ido. Confesso que esperava mais, pelo que dizem aqueles que por lá passaram. Acho até que precisaria ter ficado mais tempo para sentir a cidade, mas o que fizemos foi de bom tamanho.

Bali

Bali_ Templo Ulun Beratan

 

A magia de Bali parece contaminar quem por lá passa. Foi assim na primeira vez em que estive e dessa vez não foi diferente.

Conheci outro lado de Bali, o que só fez aumentar aquela sensação gostosa de que é um lugar que vale a pena ir… seja pelos seus encantos, seja pela religiosidade que impera, seja por aquele povo cativante, seja pela comida… Estar lá é bom.

Lolo foi nosso guia. Sua religiosidade somou-se à magia do lugar e aí pudemos viver um pouco da vida local.

O tempo dedicado ao deslocamento entre uma atração e outra foi preenchido por relatos de usos e costumes balineses. Ainda que de forma virtual, vivemos intensamente esses conhecimentos porque sua convicção não deixava margem para dúvidas.

Como a magia de Bali não se esgota, ele soube explorar muito bem os pontos visitados, complementando o visual com suas informações.

Assusta quando conhecemos um pouco da cultura e das crenças do povo. Para eles, a magia negra, os invisíveis, a vida passada, a presente e a futura norteiam suas ações e eles respiram intensamente essa crença.

Se é bom ou ruim, não nos cabe julgar. Muitos, que estão de fora, se sentem envolvidos e gostam, como foi o meu caso nessas duas vezes. Não sei se seria um lugar de opção para morar. Para voltar, com certeza.

Singapura

Singapura_vista

Já conhecia e, ao visitar pela segunda vez, conheci um pouco mais. A imagem de Singapura foi tomando forma e se completando. Que linda! Apesar de ser extremamente cara, o que ela oferece de melhor é de graça ou custa pouco. Seu visual é belíssimo.

Wang, nossa guia, teve pouco trabalho. A cidade fala por si e a excelente escolha dos lugares visitados completou nossa visão da cidade. Só não foi melhor, porque sua escolha gastronômica, por duas vezes, deixou a desejar.

Assistimos a dois shows. O primeiro, das águas dançantes, gratuito, foi contagiante. Ao som de What a wonderful world, presenciamos um espetáculo maravilhoso proporcionado pelo poder da tecnologia e pela criatividade do homem.

Por muito pouco, também assistimos, num lugar deslumbrante, idealizado e construído pelo homem, a outro show ao som de We are the world, que fechou com chave de ouro nosso passeio do dia e a nossa estadia na cidade.

O show de encerramento no Gardens By The Bay, sob a luz das estrelas e das luzes artificiais, nos deu a sensação de que valeu cada centavo investido nesse passeio maravilhoso.

Em resumo, “começaria tudo outra vez…”

Férias 2015 – A ida – 07 de junho

07/06/2015 – domingo

Com a parada gay chegando à Avenida Ipiranga, o jeito foi ir para o aeroporto mais cedo.

Por esse mesmo motivo, foi necessário garantir o banho e o descanso no Fast Sleep do aeroporto de Guarulhos (R$159,30 – 3h de permanência) – http://www.fastsleep.com.br/pt-br/, para renovar as energias necessárias às muitas horas de viagem até Hanói, Vietnã, nossa primeira parada.

Vamos aos cálculos: de São Paulo a Doha 14h30 de viagem. Em Doha foram 3h antes do próximo voo até Hanói, mais 9h30. Tudo isso somado às 9h45 que fiquei no aeroporto de São Paulo – total = 36h.

A economia poderia ser de 6h se a chegada ao aeroporto de SP fosse mais tarde. De qualquer forma, 30 horas são muiiiitas horas. Vale a pena? Claro que vale!

Dados – Companhia aérea – Qatar Airways

Horário de saída 2h45 do dia 08 de junho de 2015.

São Paulo – Doha – 14h30

Doha – Hanoi – 9h30

A Huang se juntou a mim no hotel e dormiu enquanto eu lia. Ela estava muito cansada e teve 2 horas para se recuperar.

Por volta das 22h, aos poucos nos juntamos e começamos a nos conhecer. Nosso grupo tinha 20 pessoas de diversos lugares do país.

O embarque começou já no dia 08/06, às 2h05. Decolamos às 2h45.

E assim começou o processo de virada no fuso porque, quando chegamos, o dia foi trocado pela noite. O truque é nos manter cansados de tal forma que, ao chegarmos, o corpo pede cama.

Na chegada, a hora local é sempre o finzinho da tarde ou inicio da noite. Hora de dormir. Com isso, o corpo começa a se acostumar. É maluco, mas é fato.

Às 3h30 foi servido o jantar e as opções foram frango com arroz, nhoque gratinado ou carne com batatas. O nhoque estava bom. Como acompanhamento, tinha salada de feijão (por motivos óbvios, péssima escolha servir feijão num voo tão longo), queijo, manteiga, pão, doce, chocolate e bebidas.

Se não fosse tão tarde até que um whisky seria uma boa pedida. Rsrsrs. Fiquei com fanta.

Às 4h30, finalmente, as luzes foram apagadas para podermos dormir.

Durante o trajeto, os comissários passaram várias vezes servindo suco, água, café, sanduíche e frutas, sempre com as luzes apagadas e janelas fechadas.

Uns dormiram, outros assistiram a filmes, leram ou conversaram e tem gente que fez de tudo, como foi o meu caso, porque fui registrando o que se passava para depois colocar aqui.

Por incrível que pareça, os banheiros continuaram limpos depois de muitas horas de voo, fato que constatei pela primeira vez durante uma viagem.

O voo seguiu tranquilo e quando faltavam 3h20 para chegarmos a Doha, foi servida a última refeição.

Às 22h desembarcamos em Doha só com a bagagem de mão e ficamos 3 horas passeando no Free shop, igual a quase todos, sem muitas novidades. A diferença ficou por conta dos artigos da culinária local. Doces, tâmaras e pistaches encheram nossos olhos.

O Wifi do aeroporto funcionou e aproveitamos para mandar mensagens.

Alguns registros

Férias 2015 – Vietnã – Hanói – 09 de junho

Hanói_Ventinho na chegada
Hanói_Ventinho na chegada

09/06/2015 – 3ª feira

Pousamos às 14h51, horário local, 10h à frente do horário brasileiro.

Cruzes, para entendermos o fuso, só olhando o mapa de bordo. Nunca se sabe se o que vem como refeição é café da manhã, almoço ou jantar.

Enfim em solo, antes de começarmos nossas férias, agradecemos a Deus pela oportunidade e por termos feito uma excelente viagem. Apesar de cansados, estávamos bem.

Achávamos que seria hora de relaxar para aproveitarmos ao máximo nosso merecido descanso!

Não foi bem assim. Ainda tivemos que enfrentar os procedimentos burocráticos da imigração e troca de moedas. Depois ficamos esperando passar a tormenta com que fomos brindados. Sabe aquele vento arrasador que começa do nada, seguido de uma chuva torrencial que leva o que vem pela frente? Pois bem, os vasos do aeroporto não sobreviveram. Depois de 10 minutos a chuva passou e todos estavam quebrados. Acho que era o que eles chamam de monção. Para nossa sorte, tivemos a chance de ver esse fenômeno da natureza quando estávamos em terra, protegidos, dentro do aeroporto.

Enquanto esperávamos, aproveitamos para termos uma referência da moeda local. Um sanduíche custa 50.000 dongs. Quase todos trocaram 100 dólares e recebemos 2,156,900 dongs. Muitos zeros para pouco dinheiro.

Às 5h saímos num ônibus reservado para nós, com o guia Lao. Do aeroporto até o Movenpick Hotel – http://www.moevenpick-hotels.com/en/asia/vietnam/hanoi/hotel-hanoi/overview/0/ – foram 40 min de viagem.

Depois de descansarmos um pouco, jantamos no próprio hotel. Ninguém se aventurou a sair porque o corpo não estava resistindo. Fizemos apenas uns registros antes de cairmos num sono profundo.

Alguns registros

 

 

Férias 2015 – Tailândia – Bangkok – 19 de junho

19/06/2015 – 6ª feira

Saímos bem cedo (7h) para aproveitarmos o dia.

Como eu tinha manifestado vontade de comprar faquinhas tailandesas para fazer carving, a guia, logo que chegou ao hotel, me presenteou com duas. Muito simpático da parte dela! Amei.

No caminho, vimos vários templos e salinas. Interessante ver pontos de venda de sal à beira da estrada. Pena que não paramos para conhecer e entender o processo e esse tipo de negócio.

Depois de pouco mais de uma hora, paramos numa fábrica de açúcar de coco. Por causa das calorias, que não são poucas, ficamos apenas na degustação. Que delícia! Não dava vontade de parar de comer. Bom, também, foi o salgadinho de jaca (Durian) – https://stinkyspikes.wordpress.com/2009/11/01/amazing-thailand-durian-chips-and-snacks-for-tourists/

Depois dessa parada, pegamos o barco para conhecer o mercado flutuante. Que aventura divertida! Apesar de sabermos que é seguro, a sensação é de que o barco pende para um dos lados e vai virar. Somado a isso, muitas vezes a velocidade dele parece ser maior do que gostaríamos. Depois dessa aventura, chegamos ao mercado flutuante Amphawa – http://www.bangkok.com/magazine/amphawa.htm# . Um passeio imperdível quando se está em Bangkok.

Depois de comer muita banana frita (uma delícia), coco frito (bom também), fazer comprinhas, passear no mercado local e ter a certeza de que engordamos uns dois quilos ali, fomos almoçar. E quem estava com fome depois de toda a comilança?

Fomos ao restaurante Venice, comida típica, que não deixou saudade.

Em seguida, visitamos o santuário Erawan – http://www.bangkok.com/shrines/erawan-shrine.htm – e o Templo Buda de Jade ( Wat Phra Kaew ou Temple of Emerald Buddha) – http://www.bangkok.com/attraction-temple/wat-prakaeo.htm

Que maravilha! Pena que muitos espaços não puderam ser fotografados por restrições locais. Quando havia permissão, nossas câmeras não conseguiram alcançar a grandeza do lugar. Eles vão ficar na lembrança de cada um.

De volta para o hotel, ainda tivemos um chá da tarde. Que loucura comer desse tanto!

À noite, ou seja, pouco mais de uma hora depois da nossa chegada, a programação contemplava jantar, show e massagem (opcional). Uns foram e outros preferiram ir ao shopping. Aderi ao segundo grupo porque não queria ver comida na minha frente e sempre acho importante conhecer um pouco de cada coisa.

O shopping ficava perto do hotel. Sua estrutura é um pouco diferente da que conhecemos. Nada que arrancasse suspiros. Só gostei de uma coisa e não consegui comprar porque estava sem Bath, não consegui trocar dólares pela moeda local e a loja não aceitava cartões. Numa loja ao lado do shopping consegui comprar as tão cobiçadas faquinhas de carving porque aceitaram cartão e me dei por satisfeita. Valeu.

Quem foi ao show gostou muito.

Alguns registros

Férias 2015 – Indonésia – Bali – 21 de junho

21/06/2015 – domingo

Às 8h30 saímos do hotel Nusa Dua para ver um show de dança típica, chamado Baron, que simboliza a luta entre o bem (Baron) e o mal (Bruxa) – The Barong & Kris Dance – http://www.indo.com/culture/barong.html.

Depois do show, fomos conhecer a fabricação de Batik, num lugar oficializado pelo governo, que possui preço fixo, chamado Sari Amerta Batik – http://www.topholidaysbali.com/archives/sari-amerta-batik – e nos deliciamos com tanta coisa bonita. Comprinhas? Um pouquinho, já que estávamos quase perto do final da viagem e podíamos dimensionar nossa bagagem. Rsrsrs

De lá, fomos ao Templo Goa Gajah ou Caverna do Elefante – http://www.balistarisland.com/Bali-Interesting-Place/Goa-Gajah-Temple.htm e depois continuamos até o topo da montanha para almoçarmos num restaurante que fica em frente ao Vulcão Batur – http://www.volcanolive.com/batur.html. Segundo o guia, Batur significa “Amigo”- vulcão amigo porque entrou em erupção quatro vezes e nunca matou ninguém. Folclore, não é? O nome foi dado antes, adivinhando que não iria matar? Foi rebatizado? Enfim, não precisamos entrar nesses detalhes. O importante é saber que nunca causou nenhum estrago, é bonito de se ver e estava quietinho. O almoço foi razoável. Valeu pela vista que tivemos.

Depois, fomos para Tirta Empul Temple or Tampak Siring Templehttp://www.balistarisland.com/Bali-Interesting-Place/Tampak-Siring.htm – um dos muitos pontos de interesse dos turistas que visitam Bali. Suas águas são consideradas sagradas, com o poder de curar doenças. Não nos aventuramos a tomar banho e nos limitamos a conhecer os espaços e a acompanhar os diferentes rituais que os devotos estavam realizando. Só não pudemos entrar num deles porque a presença só é permitida àqueles que iriam orar e fazer oferendas, o que não era o nosso caso.

O jantar foi no Bumbu Bali Restaurant – http://www.bumbubaliresto.com/menubumbubali1.asp – comida típica, muito boa, acompanhada de um show típico.

 

Férias 2015 – Indonésia – Bali – 22 de junho

22/06/2015 – 2ª feira

Levantamos muito cedo, fomos para a praia ver o sol nascer e….ele não apareceu. Frustrações à parte, aproveitamos para tirar fotos e curtir a beleza do lugar, que independe do sol.

Depois do café, fomos conhecer Kuta (praia) – http://www.bali-indonesia.com/kuta-beach/# – e Taman Ayun Temple – http://www.bali-indonesia.com/attractions/taman-ayun-temple.htm.

Kuta é uma praia movimentada, com muitos hotéis, perto do comércio. Há controvérsias a respeito do lugar. Segundo o guia e posts colocados na internet, é o pior lugar de Bali por causa da presença de arruaceiros de diversas espécies. Para alguns de nós ficou a vontade de estar lá para curtir o bochicho e a noite. Quem sabe numa outra oportunidade!

No templo Taman Ayun, vimos uma cerimônia religiosa muito bonita. O lugar também é lindo. Acho um pouco difícil entender a religiosidade que impera em Bali. O guia nos explicou a razão pela qual fazem esses rituais. Eles acreditam e fazem com fé. Para nós, não passa de um visual bonito a ser apreciado. Ele se passa à beira de um lago sagrado para eles e é uma cerimônia em agradecimento pelo que recebem.

Almoçamos no restaurante Uma Luang Sari – https://www.facebook.com/pages/Uma-Luang-Sari-Restaurant-with-rice-view/612379595446763 – que tem como vista a plantação de arroz e, antes de irmos para o melhor lugar do dia – Tanah Lot – passamos por uma reserva habitada por macacos – Selamat Datang. Eles são treinados para receber comida dos turistas. No final do percurso, há um lugar para tirar fotos com morcegos gigantes ou uma cobra, da mesma proporção. Claro que não deixamos de registrar. Lugar bonito, mas nada de especial.

Também passamos pelo Templo Ulun Danu Beratan – http://www.ulundanuberatanbali.com/profile/history.

O Templo Tanah Lot – http://www.balistarisland.com/Bali-Interesting-Place/Tanah-Lot-Temple.htm – é um lugar belíssimo. Lá, acontecem cerimônias religiosas durante o dia, principalmente no período da manhã. Além disso, é um ponto turístico com artigos locais e o pôr do sol é algo indescritível. Na primeira vez em que lá estive, vi as cerimônias e, agora, o pôr do sol. Não dá para dizer qual é mais bonito.

O dia terminou com um jantar na praia – New Matahari Café & New Moon Café – http://www.newmoon-mataharicafe.com/ . O lugar é maravilhoso, mas a comida… Tinha tudo para ser boa, principalmente para quem gosta de camarão. Basicamente, o nosso cardápio girava em torno de camarões e lagostas grelhados. Visual bonito e sabor… sonso. Quando temos referencial da comida, dificilmente gostamos. Precisa ser muito bom para apreciarmos porque nosso paladar fica aguçado. O que foi servido não tinha sabor de nada. Pedimos para diminuir a pimenta e ela era, basicamente, o tempero. Agradou a poucos.

Apesar do dia intenso que tivemos, ainda arriscamos dançar, literalmente, na praia, ao som de um conjunto que tocava, nas mesas, as músicas do país dos turistas. Como dançar na areia não é muito fácil, quase ninguém se animou.

Alguns registros

Férias 2015 – Indonésia – Bali – 23 de junho

23/06/15 – 3ª feira

Como o dia foi livre, com direito ao café da manhã, almoço e jantar no hotel, cada um fez o que quis. O vouche do almoço nos deu liberdade de escolha entre os quatro restaurantes do hotel. Ufa! Pizza foi a opção de várias pessoas e a minha, também. Que bom! Não posso negar que já estava com saudade dela e a que comi satisfez o meu paladar.

Muitos optaram por ficar na praia ou na piscina no período da manhã e depois do almoço ir ao shopping – http://bali-collection.com/ , usando o traslado do hotel. Assim que chegamos no shopping, a primeira coisa que fizemos foi procurar um lugar para fazer massagem. Optei pela balinesa e não me arrependi. Não é muito forte, mas é intensa. Ponto para eles.

O jantar no hotel reuniu o grupo e, mais uma vez, estivemos juntos para celebrar nosso passeio e a despedida de Bali.

 Alguns registros

Férias 2015 – Singapura – 24 de junho

24/06/2015 – 4ª feira

Muitas pessoas não dormiram ou dormiram muito pouco porque o morning call foi às 4h45. Nosso voo para Singapura estava previsto para as 9h.

Foi tudo muito rápido e embarcamos no horário programado.

Chegamos perto do horário do almoço e fomos direto a um restaurante no shopping – Buffet Town – https://www.facebook.com/BuffetTownSG , um lugar com vários tipos de comida e cada um comeu o que quis. Para muitos, uma opção não muito feliz.

Depois do almoço, o hotel Mandarin Orchard foi nosso destino – http://www.meritushotels.com/en/mandarin-orchard-singapore/index.html . Às 16h saímos para os passeios.

Fomos a um complexo e lá jantamos, assistimos a dois shows e fizemos um safári noturno. O jantar foi no Ulu Ulu Safari Restaurant, sistema de buffet – http://www.nightsafari.com.sg/dining/ulu-ulu-safari-restaurant.html#ad-image-0 .

Depois do jantar, embarcamos num trenzinho para fazer o safári – http://www.nightsafari.com.sg/index.html. Tivemos a oportunidade de conhecer muitos animais. Uma experiência, no mínimo, interessante.

Em seguida, vimos um show rápido e bonito – Thumbuakar Performance – http://www.nightsafari.com.sg/shows/thumbuakar-show.html – Trata-se de uma performance de alguns rapazes usando o fogo como instrumento de trabalho.

Logo depois, assistimos a um segundo e último show da noite – Creatures of the Night Show – http://www.nightsafari.com.sg/shows/creatures-night-show.html – que teve animais como atores principais.

Um passeio muito legal que seria melhor se estivéssemos mais descansados. O calor intenso de Singapura, aliado à mal dormida noite anterior, fez com que muitos ficassem mais cansados do que o normal.

De lá para a cama, foi um pulo.

O Mandarin hotel foi usado só naquela noite.

Alguns registros