Férias 2012 – Europa Esplêndida

Férias!

Depois de muitas milhas voadas, muitos quilômetros rodados, muita coisa boa, gente, chocolates e muita comida gostosa nossas férias terminaram. De Paris a Viena, foram 7 países e 15 cidades em 16 dias de viagem.

Foi um passeio pela Europa. Passamos por lugares que eu tinha vontade de rever e alguns que gostaria de conhecer. No fundo, o objetivo era descansar, relaxar e distrair. E foi com esse espírito que Bete, Maria Thereza e eu iniciamos a viagem.

São Paulo, aeroporto de Guarulhos – 17/06/2012. Ibéria – 15h35.

De São Paulo nós fomos para Madri e, em seguida, fizemos conexão para Paris. Chegamos às 10h30 (hora local – 5h a mais do que no Brasil) do dia 18. A viagem foi tranquila e a comida boa, no primeiro trecho. No segundo, não serviram nada, mas o voo foi ótimo.

“Ver, será sempre a melhor metáfora de conhecer” Autor: Fernando Pessoa

Férias 2012 – Paris

18 – 19 e 20/06/2012 – Paris

Um guia nos esperava no aeroporto e nos levou até o hotel. Ficamos no Holliday Inn da Gare D`Lest. Fácil para ir e vir, a pé ou com qualquer transporte público.

Hotel razoável – café da manhã razoável – hotel sem estrutura para o número de pessoas que recebe – quarto sem frigobar nem itens de toalete. Internet caríssima – 3 euros a hora ou 10 para usar o dia todo no hall do hotel. No quarto, 18 euros a diária, custo que não compensa para quem fica pouco tempo no quarto, como é o nosso caso. Valeu pela localização, cama confortável e bom chuveiro. Afinal, hotel é só um lugar para dormir depois de um dia inteiro de atividade. Não seria minha escolha se eu estivesse viajando por conta própria.

Paris é um colírio para os olhos! Só senti falta das músicas, que eram tradicionais em cada canto e agora parecem raras. Nos demos o direito de sentir Paris nos pés, andando pela cidade, curtindo cada rua, ponte e paisagem. Passeamos sem a obrigação ou necessidade visitar museus, igrejas e monumentos. Nosso propósito desta vez foi aproveitar os três dias em que lá ficamos para andarmos muito e revermos todos os pontos que já nos encantaram em outras ocasiões.

Bete foi para Versailles e conheceu uma brasileira, a Walda, que também estava no nosso hotel.  Walda é de Belém e se juntou a nós no ultimo dia. Uma companhia muito agradável.

É muito fácil andar em Paris. Com um mapa na mão e muita disposição dá para ir a qualquer lugar porque os meios de transporte são fartos, bem sinalizados e a cidade é plana.

Além disso, Paris cabe no bolso, se o objetivo não for fazer compras.

Alguns registros

Férias 2012 – Bélgica – Bruges e Gante

21/06-  França -Paris – Bélgica – Bruges e Gante

Saímos de Paris às 8h com destino a Bruxelas, na Bélgica. No caminho, paramos em Bruges e Gante. Finalmente conhecemos nossos companheiros de viagem, que eram de diversas regiões da Espanha.

Bruges é uma cidade encantadora. Eu e a Thera já a conhecíamos e foi gostoso voltar para relembrar. Dizem que é Veneza em miniatura, com canais muito limpos. Chamam a nossa atenção os cuidados com as ruas e as flores que estão por toda a parte. É uma cidade alegre e possui um chocolate delicioso.

Ficamos poucas horas, o suficiente para andarmos pelas ruas de pedras e sentirmos a vibração positiva que paira no ar. Ainda estava fazendo frio, mais do que imaginávamos.

21/06/2012 – Gante

Ainda na Bélgica, passamos em Gante, uma cidade de 240 mil habitantes que prosperou entre os séculos 13 e 14 graças ao comércio de tecidos. Os moradores de Gante, assim como em Bruges e Antuérpia, falam o Flamengo. Como ninguém espera que o turista domine o idioma local, o inglês é bem aceito e a comunicação se faz sem problemas.

A cidade oferece uma variedade de lugares interessantes. Entre eles: dois castelos medievais, muitos museus, conventos, igrejas e prédios históricos. Segundo os guias, em nenhuma outra cidade da Bélgica há tantos monumentos como em Gante.

Alguns registros

Férias 2012 – Bélgica – Bruxelas

21/06/2012 – Bruxelas

Chegamos às 19h30 e ficamos no Husa President Park Hotel – http://www.husapresidentpark.com/default-en.html. Melhor do que o de Paris (ainda bem!!!). Bem melhor! Jantamos no hotel porque estava incluso no passeio – salada, salmão com creme de ervas e batatas e torta de maçã.

Além de o quarto ser melhor, a internet funcionou.

 22/06/2012 – Bruxelas

Saímos logo cedo para uma visita panorâmica e continuação da viagem.

Passamos pela Grand Place – http://www.lagrandplace.org/ – também chamada de Praça do Mercado, principal endereço e maior atração turística da cidade, que é onde acontecem todos os principais eventos de Bruxelas. Rodeada de prédios históricos remanescentes dos Séculos 15 e 16, com mercado de flores pelo chão e restaurantes com mesas nas ruas, é um lugar maravilhoso.

Durante o passeio, aproveitamos para comer o waffle, uma especialidade belga imperdível.

Também passamos pela estátua do Manneken Pis, famosa na Europa, que é um menino de não mais do que 60 centímetros fazendo xixi dentro de uma fonte.

A estátua original foi colocada no alto da fonte em 1619 e existem várias lendas sobre a sua origem. Alguns contam que um menino salvou Bruxelas de um incêndio com seu xixi, apagando a chispa de uma bomba inimiga. Outros asseguram que um rico burguês da cidade perdeu seu filho nas ruas do centro e, finalmente, o encontrou na posição em que se encontra a estátua hoje.

Símbolo da cidade, é tradição que os diplomatas e responsáveis políticos ofereçam uma roupa ao Manneken Pis quando estão em Bruxelas. Segundo informações, a estátua passa a maior parte do tempo vestida e os modelos podem ser bastante divertidos: Drácula, Papai Noel, Piloto de Fórmula 1, tudo depende da estação e do contexto.

Sem muito tempo na cidade, fomos ver o Atomium – http://www.atomium.be/- um monumento que foi construído em 1958. Com 103 metros de altura, ele representa um cristal de ferro ampliado 165 bilhões de vezes. As esferas de ferro possuem cerca de 18 metros de diâmetro e estão ligadas por esteiras e escadas rolantes no seu interior. As janelas instaladas na esfera oferecem aos visitantes uma vista panorâmica da cidade.

Alguns registros

Férias 2012 – Rotterdam e Haia

22/06/2012

Perto do meio dia saímos com destino a Amsterdã.

Paramos em Rotterdam para almoçar e optamos por não ir até o restaurante para podermos conhecer um pouquinho da cidade. Pura ilusão. Só conseguimos andar um pouco.

Duas horas depois continuamos a viagem e a próxima parada foi Haia.

Haia (Den Haag), na Holanda

Haia, para os holandeses, Den Haag,  é a terceira maior cidade dos Países Baixos depois de Amsterdã e Rotterdam. É a real sede do governo, Oficialmente não é a capital dos Países Baixos que, de acordo com a constituição, é Amsterdã. É considerada a capital política holandesa porque lá estão sedes do governo, o parlamento e a residência da família real.

A sensação que se tem lá é a de uma cidade pequena com estrutura de cidade grande.

Alguns registros

Férias 2012 – Amsterdam

22/06/2012 – Amsterdam

No final da tarde chegamos a Amsterdam. Fomos direto para o Novotel, que fica perto do aeroporto. Apesar de distante, há uma linha de metrobus – Linha 4 – que rapidamente nos leva até o centro e custa 2,70 EU por trecho.

Depois do jantar, incluso no pacote, fomos para o centro. Com tão pouco tempo em cada lugar, o negócio é aproveitar cada minuto. Paramos na praça Dam, um dos principais pontos turísticos de Amsterdam. Também passamos pelo Red Light, o bairro das ”garotas de programa”. Na verdade, para nós é outro ponto turístico.

23/06/2012 – Amsterdam

Fizemos visita com o grupo a uma fábrica de diamantes e depois nos desligamos para curtirmos a cidade por nossa conta.

Amsterdam é uma festa! Um paraíso para gays e simpatizantes e um divertimento para os demais. É alegre e fácil de andar. Venta muito e ainda estava fazendo frio. Nada que nos impediu de andar bastante. Agasalho e guarda-chuva são elementos imprescindíveis para quem quer ficar na rua e desfrutar da alegria da cidade.

Alguns registros

Férias 2012 – Colônia (Köln) e Frankfurt

24/06/2012 – Colônia (Köln)

Domingo! Dia destinado à estrada! Saímos cedo com destino à Alemanha – Frankfurt, no final do dia.

Nossa 1ª parada foi Colônia (Köln), às 10h10. Paramos perto da Catedral e tivemos 1h30 para circularmos pelo centro.

Impossível não ficar impressionado com as imponentes torres da famosa Kölner Dom – catedral que é um dos mais belos e importantes monumentos góticos da Europa.

Kölner Dom teve a sua construção iniciada em 1248 e só terminou 600 anos depois. A agulha da catedral domina a cena e da torre tem-se uma vista maravilhosa. Segundo informações locais, ela foi uma das poucas construções que conseguiram escapar das bombas aliadas, permanecendo intacta ao final da segunda guerra, rodeada pelos escombros de uma cidade em ruínas. Colônia é um bom exemplo de que é possível renascer das cinzas!

Conhece a “Água-de-Colônia 4711″? É de lá. Segundo informações, tem uma história curiosa: Quando Napoleão invadiu a cidade, ordenou uma renumeração de todas as casas da cidade para maior controle> Coube aos donos da fábrica da Água de Colônia o 4711. Napoleão se foi, o número ficou.

Incluso no programa, fizemos um passeio pelo Rio Reno. Durou pouco, o suficiente para almoçarmos e apreciarmos diversos castelos medievais em ambas as margens. O ponto de embarque em Köln é no cais Franken, próximo ao centro.

Às 16h mudamos de ônibus, passamos para a equipe do Juan, outro guia que também estava no circuito, e continuamos até Frankfurt.

24/06/2012 – Frankfurt

Chovia quando chegamos, fazia frio e a cidade estava deserta. Não saímos do hotel nem fizemos visita panorâmica.

Alguns registros

Férias 2012 – Nuremberg

25/06/2012

Nosso destino final foi Praga. No caminho, paramos em Nuremberg.

Ufa!!! Na entrada da cidade consegui terminar de assistir ao filme Julgamento de Nuremberg. A ideia era assisti-lo antes de chegar lá para relembrar um pouco da sua história.

A cidade foi reconstruída após a 2ª Guerra Mundial. Tivemos 2 horas para um passeio histórico-cultural. Algumas paradas: a Fortaleza da Cidade, concluída em 1455 e símbolo de Nuremberg – a Igreja de Santa Martaco – o Mauthalle, antiga estação de pagamento de tributos e maior armazém de sal e cereais da cidade, cuja construção foi concluída em 1502 – a Nassauerhaus, um belo exemplo de residência medieval – a praça Hauptmarkt, com a fonte Schönen Brunnen – a igreja Frauenkirche e a prefeitura (Rathaus). O centro histórico é pequeno e bonito e duas pontes próximas o ligam ao centro comercial, mais novo.

Às 12h vimos, no topo da Matriz, um espetáculo de reverência ao Rei Carlos V. Em seguida, partimos para a nossa proposta gastronômica da viagem – comer todas as comidas típicas oferecidas em restaurantes, barracas e feiras, quase sempre nas duas últimas – uma delícia saborear os sanduíches de salsichas, as batatas e os sorvetes locais encontrados pelo caminho.

Com exceção de Paris, ainda não tivemos tempo livre para compras. Não sei se é um alívio, mas é bom. Nossas comprinhas têm sido apenas de registro dos locais – haja geladeira para tanto ímã!

Alguns registros

Férias 2012 – Praga

25 – 26 e 27/06/2012

Por volta das 16h30 cruzamos a fronteira da Alemanha com República Tcheca e paramos para banheiro e troca de moeda. Praga é membro da União Europeia desde 2004  mas ainda não adotou o Euro como moeda.

Um pouco da sua história retirada da Wikipédia:

“As terras checas emergiram nos fins do século IX quando foram unificadas pelos Premyslidas (Přemyslovci). O reino da Boemia foi uma potência regional com significado, mas conflitos religiosos como as Guerras Hussitas do século XV e a Guerra dos Trinta Anos do século XVII foram devastadoras. Mais tarde, a Boemia caiu sob influência dos Habsburgos e passou a fazer parte da Áustria-Hungria.

Depois do colapso desse estado, que se seguiu à Primeira Guerra Mundial, os checos e os seus vizinhos eslovacos juntaram-se e formaram a república independente da Checoslováquia em 1918. O primeiro presidente da Checoslováquia foi Tomás Masaryk. Este jovem país continha uma minoria alemã de grandes dimensões, na região dos Sudetas, o que iria levar à dissolução da Checoslováquia quando a Alemanha anexou a minoria por via do Acordo de Munique em 1938, e a Eslováquia também se separou. O estado checo remanescente foi ocupado pelos alemães em 1939. Depois da Segunda Guerra Mundial, a Checoslováquia caiu na esfera de influência soviética. Em 1968, uma invasão de tropas do Pacto de Varsóvia pôs fim aos esforços dos líderes do país para liberalizar o regime e criar um “socialismo de rosto humano”, durante a Primavera de Praga.

Em 1989, a Checoslováquia recuperou a liberdade por via de uma “Revolução de Veludo” pacífica. A 1 de Janeiro de 1993, o país separou-se em dois pacificamente, resultando em países independentes: República Checa e Eslováquia.

A República Checa aderiu à OTAN em 1999 e à União Europeia em 2004.”

Em Praga, ficamos no Hotel Clarion. Chegamos, tomamos banho e fomos jantar, refeição inclusa no pacote.

O Hotel Clarion não fica no centro de Praga, mas há uma estação de metrô bem em frente. Depois de ler todos os papeis que estavam no quarto, descobri que o hotel oferece transfer para o centro e do centro para o hotel em vários horários. Essa informação não é dada pelos guias e poucas pessoas do nosso grupo desfrutaram dessa comodidade.

26/06/2012 – Praga

Pegamos carona com o ônibus e aproveitamos o tour de 2 horas no período da manhã. Como já conhecíamos a cidade, ficamos por nossa conta à tarde.

Praga é uma cidade linda! Exploramos cada pedacinho do centro histórico, passamos pela Ponte Carlos, fomos à Igreja Nossa Senhora Vitoriosa para ver a estátua do Menino Jesus de Praga e andamos muito. À noite fomos ao Teatro Negro assistir à peça Visões de Alice. Gostei. Apesar de sentir falta de elementos de conexão entre as cenas, valeu o espetáculo. É muito diferente daquilo a que estamos acostumados a ver e bem típico do local.

Fez frio o dia todo e só à noite esquentou um pouco – ou parou de ventar, o que deu a sensação de estar mais quente.

Não sei se a aventura maior foi comprar o bilhete do metrô para voltar para o hotel ou descer a escada rolante.

Não havia jeito de entender o que deveríamos fazer na máquina para adquirirmos o bilhete. Foi preciso a interferência de dois moradores locais, para que efetuássemos a compra. Bilhete na mão, que não foi usado porque esquecemos de validá-lo na entrada, deparamos com uma escada rolante enorme, descendo a quase 200 por hora (foi essa a impressão que tivemos). Como não havia nada que pudéssemos fazer, tivemos que encará-la. Nunca senti tanto medo! Pensei que eu iria terminar as minhas férias ali – da escada para o hospital, na melhor das hipóteses. Sãs e salvas, chegamos ao hotel. Foi aí que o meu sexto sentido me fez vasculhar os papés e eu descobri o transfer. Na mesma hora, fui até a portaria e reservei-o para o dia seguinte (ida e volta, como garantia).

27/06/2012 – Praga

Às 9h o motorista nos esperava. Que felicidade! Ficamos num shopping próximo ao centro (Palladium) e tivemos um dia inteiro para ver lojinhas e curtir as liquidações que pipocavam pela cidade. Nossa proposta de alimentação continuou a mesma. Exceção somente em alguns lugares durante a viagem. No 1º dia em Praga nós almoçamos e depois comemos de tudo um pouco. Há muita comida diferente. Se parássemos para almoçar e jantar, não daria para “beliscar” outras coisas muito gostosas, também. Dieta? Só depois.

Foi um dia sem maiores compromissos. Foi muito bom ter voltado para Praga. A cidade é maravilhosa e nos encanta. Lamentei não ter ido à ponte Carlos à noite. É outra visão da cidade e muito bonita, também. Só que escurece tarde no verão (por volta das 22h e amanhece por volta das 4h) e nós tínhamos que voltar ao hotel para nos preparamos para continuarmos a viagem.

Alguns registros

Férias 2012 – Bratslava

28/06/2012

Saímos cedo para Budapeste. Às 7h já estávamos no ônibus porque o trajeto era longo (570 Km) e iríamos fazer algumas paradas.

Às 12h30 paramos em Bratslava. Tivemos 3 horas para almoçar e conhecer a cidade. Foi ótimo. Bratslava é um lugar muito agradável. O frio ficou para trás e estava quente, muito quente!

Informações retiradas da Wikipedia:

“Bratislava é a capital de Eslováquia, está situada no centro da Europa e no sudoeste da Eslováquia. Sua localização junto às fronteiras da Áustria, no oeste e Hungria no sul faz com que seja a única capital de um país no mundo cujas fronteiras são dois países. Está só a 62 quilômetros da fronteira com a República Checa e a só a 60 quilômetros de Viena, o que as tornam também as capitais européias mais próximas uma da outra.

A cidade tem uma superfície total de 367,58 km², pelo que é a segunda cidade maior da Eslováquia por superfície (após a cidade de Vysoké Tatry). Bratislava se situa a ambos lados do rio Danúbio, que cruza a cidade desde o oeste para o sudeste.”

Um congestionamento na estrada atrasou a nossa viagem e só chegamos a Budapeste às 19h. Depois de quase 12h num ônibus sem ar condicionado, tudo o que queríamos era banho, comida e cama. Jantamos no hotel.

O hotel Mercure Korona está relativamente bem localizado. O quarto é pequeno, há itens de toilete, frigobar e internet.

Alguns registros