Férias 2016 – Honshu – Kyoto – Jantar – 13 de junho

13/06/2016 – 2ª feira

Antes de voltarmos para o hotel, ainda em Gion, paramos para jantar num restaurante de nome não identificado.

Um lugar simpático. Para mim, a comida…nem tanto. Ainda bem que deu para sentar. Quem pediu primeiro, conseguiu uma cadeirinha, o que tornou aquele momento mais confortável.

Quando o jantar não era buffet, quase sempre tinha um fogareiro, uma espécie de caldeirão ou grelha e ali mesmo a comida era feita. Não mudava muita coisa porque o sabor de peixe predominava. Continuo dizendo que deveríamos adotar esse sistema no Brasil. É só levar tudo cru para a mesa e cada um se vira como pode ou quer. Fácil, não é?

Após o jantar, fomos para o hotel para descansar.

Férias 2016 – Honshu – Kyoto – Kinkaku- Ji – 14 de junho

14/06/2016 – terça-feira

Nesse dia, iniciamos nosso passeio pelo Kinkaku-ji. Ele é, com certeza, um dos locais mais visitados em Kyoto.

Trata-se de um templo zen budista, rodeado pelo Kyōko-chi (lago espelhado) e por um belo jardim. Oficialmente, o templo chama-se Rokuon-ji e sua estrutura é simplesmente fascinante, pelo fato de ser praticamente todo coberto por folhas de ouro puro. Kinkaku-ji foi construído em 1397 para servir de moradia ao Shogun Ashikaga. Tempos depois, seu filho resolveu transformar a construção em um templo zen. Hoje, o Kinkaku-ji tornou-se em um dos maiores ícones de Kyoto, além de ter sido designado como Patrimônio da Humanidade em 1994.

São três andares. Apenas o térreo não é coberto de ouro. O primeiro andar do pavilhão é conhecido como o Hôsuiin (“Templo de Dharma da Água”), construído no estilo shinden zukuri, associado com a nobreza Heian do século 11. O segundo andar é chamado de Chôondô (“Gruta das Ondas Sonoras”), construído no estilo buke zukuri, o mesmo utilizado nas casas de samurai.

Nesse andar está uma estátua de Kannon. O terceiro andar do Kinkaku-ji é construído no estilo de um Salão de Buda em um templo Zen e é conhecido como o Kukkyôchô (“Soberba Vértice”). Tem janelas arredondadas e é mais ornamentado em relação aos outros andares, além de abrigar muitos monumentos de buda. No alto do telhado encontra-se uma Fenghuang dourada (fênix chinesa).

Kinkaku-ji foi destruído várias vezes. Em 1955, ele foi reconstruído pela última vez e sua arquitetura se manteve fiel ao original. A diferença mais significativa foi em suas paredes, que foram cobertas com folhas de ouro, tal como era o desejo de Ashikaga.

Em 1987, o Templo do Pavilhão Dourado passou por uma restauração e suas paredes receberam cinco camadas de revestimento de folhas de ouro! Já em 2003 a restauração foi no seu interior, incluindo pinturas das salas e restaurações em seu telhado.

Sua cor dourada, contrasta com a natureza ao redor e o seu reflexo no lago enche nossos olhos. Uma beleza ímpar.

Pena que só pudemos admirar a sua beleza externa. Não é permitida a entrada de turistas nas suas dependências.

 http://viajeaqui.abril.com.br/estabelecimentos/japao-kyoto-atracao-kinkakuji

http://www.japaoemfoco.com/kinkaku-ji-o-templo-dourado-de-kyoto/

Férias 2016 -Honshu – Kyoto – Momento de fama! 14 de junho

14/06/2016 – terça-feira

Depois da visita ao Templo Kinkaku-ji, fomos a um lugar especializado em aluguel de roupas.

Lá, iniciamos nossa caracterização de gueixa e de samurai.

Assim que pagamos o valor do aluguel, homens e mulheres se separaram. No local feminino, primeiro cada uma de nós escolheu a roupa. Tínhamos à nossa disposição uma gama imensa de opções. Em seguida, foi a vez do cinto e depois da bolsa.

Roupa escolhida, fomos para um cômodo com vários espelhos. Começou a nossa caracterização. Uma camisola branca, seguida de uma espécie de espartilho amarrado por baixo e, por cima, a roupa, muito comprida, que foi sendo ajustada e moldada de acordo com o corpo de cada uma, pelo cinto que escolhemos. Ele é uma faixa de tecido que é colocado na cintura e depois trabalhado nas costas, em forma de laço, como foi o nosso caso ou de muitas outras formas, de acordo com o tipo de roupa ou ocasião, imagino.

Só sei dizer, com certeza, que não é nada fácil colocar Kimono. Diria até que parece impossível fazer isso sozinha.

Na saída, escolhemos o chinelo e fomos para a rua, devidamente paramentados.

Vale registrar que nossa caracterização foi parcial. A total ficava muito cara, além de a produção ser muito demorada.

Como a ideia era diversão, o que fizemos bastou para isso.

Que orgulho! Nosso dia de gueixa e de samurai!

Férias 2016 – Honshu – Kyoto – Almoço  e desfile – 14 de junho

14/06/2016 – terça-feira

Nossa parada para almoçar nesse dia foi num hotel. A caminho do restaurante, passamos por uma grande loja. Tivemos um tempinho para olhar e quase ninguém se animou a fazer comprinhas. Para nós, o preço não é nada convidativo.

Nosso almoço nesse local foi seguido por um desfile de gueixas. Lindas! Perto delas, vimos que não estávamos fazendo feio. Aliás, fizemos o maior sucesso por onde passávamos.

Férias 2016 – Honshu – Kyoto – Nanzen Ji Temple – 14 de junho

14/06/2016 – terça-feira

O templo zen-budista de Nanzenji, um dos mais importantes do tipo no Japão, fica aninhado aos pés das Montanhas Higashiyama. Ele é conhecido em todo o Japão por sua importância espiritual como a matriz do ramo Rinzai do zen, o principal caminho para a prática budista. Decorado com árvores multicoloridas, está repleto de pinturas antigas e jardins ornamentados.

Chamam a atenção o Portão Sanmon pelos seus 22 metros de altura e as pinturas nas 124 portas deslizantes da escola de arte de Kano. Muitas das obras retratam tigres.

O Jardim Hojo é composto por rochas, pequenas pedras e areia. A Parede Tsuiji, que cerca o terreno, é feita de lama. Esse arranjo específico de pedras é conhecido como “mãe tigresa e seus filhotes atravessando um rio”.

O complexo é formado por mais 12 templos secundários que incluem Nanzen-in, Konchi-in e Tenjuan.

Originalmente uma casa de repouso para o imperador no Século XIII, o prédio foi convertido posteriormente em um templo zen.

Uma característica importante do complexo é o Aqueduto Suorikaku, localizado junto ao templo Nan Zen. Ele conduz a água do lago Biwa a Kyoto. Atualmente, 97% da água consumida em Kyoto ainda passa por ele.

http://www.japanesegardens.jp/gardens/famous/000018.php

Férias 2016 – Honshu – Kyoto – Heian Jingu Shrine – 14 de junho

14/06/2016 – terça-feira

Ainda como gueixas, fomos ao santuário xintoísta Heian Jingu.

Ele foi construído em 1895 para comemorar o 1100° aniversário da fundação de Heian-Kyo, o antigo nome de Kyoto.

O santuário Heian possui um dos maiores Torii (portão que antecede o portão principal) do Japão.

Antes de entrar no santuário, do lado esquerdo do Ote-mon, que é a porta de entrada, precisamos fazer o ritual de purificação, lavando as mãos e a boca com água e, à direita do Ote-mon, tem a oferenda de barris de saquês.

No centro fica Daigoku-den ou Palácio da Câmara do Estado. Os edifícios do santuário Heian, com suas cores laranja, verde e branca pretendem ser réplicas do antigo Palácio Imperial de Kyoto (destruído em 1227), sendo o seu tamanho dois terços menor que o tamanho do original.

Atrás do Daigoku-den encontra-se o Honden, onde, segundo a lenda, habitam os espíritos dos imperadores Kammu e Komei. 

Kammu (737-806) fundou Kyoto em 794 e Komei (1831-1866) foi o último imperador a viver o seu reinado em Kyoto, antes de a capital mudar para Tokyo. Ao contrário de outros elementos do complexo, o Honden não é pintado.

O Santuário Heian está rodeado por uma série de jardins que ocupam, aproximadamente, 33.000 metros quadrados. Eles são projetos representativos da Era  Meiji e estão divididos em quatro seções – norte, sul, leste e oeste. Os jardins são diferentes para garantir que o santuário tenha um cenário que muda de acordo com as estações do ano. A época mais popular, sem dúvida, é a primavera, época em que as cerejeiras estão floridas.

Heian é  o tipo do lugar calmo que pode mudar de status, se observarmos a placa com advertências em japonês e inglês. Pelo jeito, há ocorrências de terremoto lá, conforme orientação dada a quem visita. Nós não sentimos nenhum abalo sísmico. Ainda bem!

Interessante notar que há algumas árvores em frente do Daigoku-den com Omikuji (papéis da sorte) amarrados. Os papéis brancos fazem com que as árvores se assemelhem às cerejeiras em flor. Será que é na primavera que os desejos se realizam? 

http://www.japanvisitor.com/japan-temples-shrines/heian-shrine#ixzz4F4NHLEuH

Férias 2016 – Honshu – Kyoto – Jantar – 14 de junho

14/06/2016 – terça-feira

Finalizados os passeios do dia, tudo o que queríamos era tirar aquela roupa, comer e ir para o hotel descansar.

Assim fizemos.

Devolvemos a roupa e fomos jantar. A comida? Darcy e Walter ficaram satisfeitos com a parte que me cabia.

Férias 2016 – Honshu – Kyoto – Castelo Nijo – 15 de junho

15/06/2016 – quarta-feira

Começamos o dia animados. Nossa primeira parada foi no Castelo Nijo. Ele foi construído em 1603 para ser a moradia de Tokugawa Ieyasu, o fundador da dinastia Tokugawa e um dos shoguns mais importantes do Japão.

Considerado um dos símbolos de seu poder, fica num amplo complexo de 275 mil metros quadrados e tem como destaque o ricamente ornamentado portão Karamon e o palácio Ninomaru. Os diversos edifícios do complexo, protegidos por duas fileiras de fortificações, têm belas pinturas e outras obras de arte feitas pelos mais importantes artistas japoneses da época.

Os salões estão como na época da construção do castelo. Em um deles há bonecos representando os daimyo (senhores feudais).

Há algumas versões sobre o som emitido pelo assoalho de madeira. Uns dizem que o piso reproduz o canto dos rouxinóis pintados nas paredes (as tábuas foram instaladas para que cavilhas e pregos roçassem uns nos outros). Outros falam que o assoalho denunciava eventuais invasores mais sorrateiros.

De qualquer forma, o espaçamento entre as tábuas produz sons e é costume os turistas passearem pelos salões de meias ou descalços, como os antigos ocupantes do prédio. Os calçados são deixados na entrada.

Cercado por imensos e bem cuidados jardins, o castelo passou por uma completa restauração antes de oficialmente ser aberto à visitação. 

Pena que não estivemos lá na época da florada das cerejeiras. Pelas fotos, um espetáculo à parte!

O conjunto é tão importante que foi declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

http://thekyotoproject.org/portugues/%E4%BA%8C%E6%9D%A1%E5%9F%8E/

http://viajeaqui.abril.com.br/estabelecimentos/japao-kyoto-atracao-castelo-nijo-jo

http://www.japan-guide.com/e/e3918.html

 

Férias 2016 – Honshu – Arashiyama – 15 de junho

15/06/2016 – quarta-feira

Continuando nosso passeio do dia, fomos para Saga Arashiyama.

Arashiyama é uma cidadezinha que fica bem perto de Kyoto. Um lugar bonito e interessante. É possível ir até lá de diversas maneiras. Dessa vez, fomos de ônibus, mas dá para ir até lá de trem, pela Sagano Scenic Railway. (recomendo, porque o fiz quando estive lá pela primeira vez).

Como é muito procurada por turistas, não importa o meio de transporte, o melhor é chegar cedo para conhecer a famosa floresta de bambus, o Templo Tenryu-ji que fica nas imediações, dar uma volta no interessante comércio local, tomar um café ou sorvete. E, de quebra, visitar a Kimono Forest.

Esses lugares são imperdíveis. No entanto, se o tempo disponível for maior, dá para explorar ainda mais a região.

http://www.japan-guide.com/e/e3912.html

http://kyoto.travel/en/planyourvisit/course/33

Férias 2016 – Honshu – Sagano –Tenryu–Ji – 15 de junho

15/06/2016 – quarta-feira

Considerado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, o templo Tenryu-Ji está entre os cinco maiores da região.

Tenryu-ji foi estabelecido em 1339 pelo shogun Ashikaga Takauji (1305-1358), em memória ao Imperador Go-Daigo (1288-1339).

Até 1864 ele sofreu danos de 08 incêndios. Nesse último, só a sala de meditação (Zendo) foi preservada. Sua reconstrução, como o conhecemos hoje, terminou em 1924.

A varanda é um espaço de meditação. Dela, tem-se a visão do lago e dos jardins, decorados com pedras. Belíssimos. Em qualquer estação do ano, possuem atrativos para a prática espiritual, principalmente o principal, Sogenchi, que foi o primeiro a ganhar do governo japonês o título de “lugar de especial importância cênica e histórica do país”.

http://www.tenryuji.com/en/about/index.html

http://www.tenryuji.com/en/precincts/index.html

http://kyoto.asanoxn.com/places/arashiyama/tenryuji.htm