FÉRIAS 2018 – O GRUPO

O grupo

 

Formado por 19 pessoas de várias localidades, nosso grupo parecia uma família sem as picuinhas que existem nas melhores delas.

Já conhecia boa parte dos integrantes de outras viagens e as pessoas que conheci nessa só somaram em todos os quesitos.

Bob Lai, nosso guia no Japão, e Huang escolheram muito bem as atrações que iríamos visitar. Huang cuidou direitinho de todos e não mediu esforços para atender nossos anseios e nos dar suporte sempre que tivemos necessidade de algo.

Huang e Tony, obrigada por mais essa oportunidade.

Obrigada, Bob Lai, pela companhia e orientação nos dias em que estivemos no Japão.

Huang, Tony, Nathalia, Kingiro, Flávio, Mariane, Pernambuco, Leila, Leila Farinha, Satiko, Cyntia, Kátia, Rosane, Regina Lopes, Maria de Lourdes, Sílvia, Paulo e Walter obrigada pela parceria, pelo carinho e pela amizade.

Foi uma delícia estar com vocês novamente, Huang, Tony, Nathalia, Kingiro, Flávio, Mariane, Satiko, Kátia, Regina Lopes, Maria de Lourdes, Sílvia e Walter.

E foi uma grata surpresa conhecer vocês, Pernambuco, Leila, Leila Farinha, Cyntia, Rosane e Paulo.

Adorei a companhia de todos.

Durante a viagem tivemos muitos momentos de descontração, cantoria e brincadeiras que contaram com a participação de quase todos. Alguns mais tímidos ou comedidos não participaram, mas também não reclamaram das nossas atividades entre uma atração e outra. Quando a atividade era oficial, o coletivo sempre predominava. Parceria total.

Nessas viagens, as pessoas que se agregam ao grupo que já viaja junto há alguns anos sempre são acolhidas. Pelo menos não sei de ninguém que tenha se sentido excluído, a não ser por opção própria. Pelo que eu sei e vi nas viagens de que eu participei, isso foi raro até agora.

O que pode melhorar? Muita coisa. Sempre podemos melhorar algo. Dessa vez, senti falta de música nos últimos dias. Nossa cantora oficial, a Sílvia, ficou doentinha. Com princípio de gripe e garganta inflamada, não conseguiu puxar o coro. E nós, em solidariedade ou por incompetência …. rsrsrs…, não cantamos também, nem mesmo nas Filipinas, onde o Karaokê é o lazer predileto dos nativos. Dança também não teve. Só mesmo a amostra na recepção do resort em Palawan. Tony, o dançarino oficial do grupo, nem se lembrou dela.

No entanto, nada disso tirou o brilho da viagem e, em resumo, mais uma vez valeu a pena ter ido.

Como música é sempre agregadora, acho que nós conseguimos eleger aquela que representa muito bem o que somos….

“Amigos para sempre é o que nós iremos ser
Na primavera ou em qualquer das estações
Nas horas tristes, nos momentos de prazer
Amigos para sempre…”

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *