Férias 2018 – 10 de abril – Takamatsu – Matsuyama

10-04-2018 – terça-feira 

 

Como de costume, morning call às 7h e saída às 9h. Deixamos Takamatsu e fomos em direção a Matsuyama.

 

Kotohira-gu Temple

No caminho, paramos no Templo Kotohirahttps://www.japan-guide.com/e/e5451.htmlhttp://www.konpira.or.jp/ . Localizado na lateral do Monte Kotohira, ele é carinhosamente chamado de “Sanuki-no Konpira-san”. A principal divindade é “Omononushi-no-Kami”, venerada em todo o país como padroeira de colheitas abundantes, prosperidade industrial e cultural, paz da nação, entre outros.

Segundo a lenda, é preciso subir até ele pelo menos uma vez na vida. São mais de 700 degraus para se chegar ao topo e, quem chega, é porque tem fé e quem tem fé consegue o que quer.

No caminho, vimos dois cavalos. Um estava no estábulo e o outro fazia exercícios. Segundo o guia, eles servem aos Deuses e cuidam do entorno do Templo.

Vimos, também, muitas lojinhas, mas é no topo que se encontra a principal delas. Quem chega, compra o Patuá da sorte. Há Patuá para quem vai e para quem vai em nome de quem não pode ir. Quem não pode ir, pede para alguém levar um cachorro em seu nome, para ser o seu representante, porque o cachorro é considerado o melhor amigo do homem. Mesmo sem cachorro, é possível comprar um Patuá com o cachorrinho em nome da pessoa que a gente quer bem e deseja boa sorte.

Assim que chegamos ao topo, vimos a realização de uma cerimônia religiosa entre dois templos, simultaneamente. Apesar de não conhecer o significado, achei o ritual bonito e interessante.

Ficamos algum tempo por lá, compramos os Patuás e o papel da sorte. Ah! Esse não pode faltar!!! Mesmo pagando, não dá para deixar de ver o que nos reserva o futuro! Rsrsrs. De novo, saiu muito boa sorte no meu. Que bom!

A volta foi pelos mesmos 700 degraus. Dessa vez, observamos uma pequena amostra das cerejeiras em flor.

 

Curso Sanuki Udon

Em seguida fomos, literalmente, fazer o nosso almoço. Sim, fomos até a Nakano Udon Schoolhttps://www.my-kagawa.jp/en/experience/experience01https://www.youtube.com/watch?v=qgP6KvidM8Uhttp://www.japaoemfoco.com/7-curiosidades-sobre-udon-macarrao-tradicional-japones/  – aprender a fazer o famoso macarrão japonês Sanuki Udon.

Começamos pelo fim. Recebemos luvas e aprendemos a abrir e a cortar a massa que já chegou pronta para nós. Feito isso, ela foi levada embora.

Em seguida, começou a aula. Em grupo de quatro pessoas, ganhamos farinha e água salgada já na medida para serem usadas. Enquanto uma pessoa do grupo amassava, as demais faziam barulho com um instrumento que tinham recebido e dançavam ao som de uma música bem animada. Depois duas outras pessoas se revezaram para dançar e amassar a massa. Enfim, só vendo para entender o quanto nos divertimos.

No final, com a receita da massa na lousa, o professor explicou a diferença de quantidade dos ingredientes, de acordo com a época do ano, inverno ou verão. Por fim, recebemos nosso certificado, que nada mais foi do que uma espécie de papiro com a receita, enrolado no pau de macarrão.

Na lousa, tinha o registro da data 10/04/30. Fiquei curiosa. Por que 30? O guia explicou que no Japão 2018 é o ano 30. Trinta anos de reinado do rei. O pai do atual rei morreu em 1988 e ele o sucedeu. Ao completar 30 anos de reinado, o rei se aposenta, se torna imperador, seu filho o sucede, se torna rei e assim por diante. Essa cadeia só se rompe em caso de morte, o que pode antecipar a sucessão.

Enfim, fomos almoçar. O quê? O macarrão que cortamos no início da aula. Cozinhamos na mesa, temperamos e comemos. Ainda bem que foram tomados todos os cuidados higiênicos no preparo da massa!!! O sabor? Bem….a farra foi melhor!

 

Matsuyama Jo Castle

Depois do almoço fomos até o castelo Matsuyama Johttp://www.matsuyamajo.jp/https://www.japan-guide.com/e/e5501.html – que fica na ilha de Shikoku – https://japan-magazine.jnto.go.jp/en/1207_shikoku.html . Há duas possibilidades de subir até o castelo. Nós fomos de Cable Car, por ser mais seguro. As cadeirinhas individuais não nos atraíram. Tiramos algumas fotos das cerejeiras que encontramos e… só. O castelo? Só o vimos por fora, para frustração de muitos.

 

Chaharu Hotel

Às 17h30 chegamos ao hotel Chaharuhttp://www.chaharu.com/en/ , que fica em Matsuyama.

O jantar foi típico, no próprio hotel.

Impressionante como eles usam ingredientes numa mesma refeição. Acho que cerca de 50. É muita comida! Um desperdício, para quem não gosta.

 

Matsuyama

Que drama!!! Aproveitar as águas termais ou passear pela cidade – https://www.city.matsuyama.ehime.jp/lang/en/ – para conhecer um pouco da cultura local, ver as lojas, interagir com as pessoas…? Difícil ter essa oportunidade! Escolhi passear, depois do jantar. Não sei dizer se foi a melhor escolha. Bom mesmo seria aproveitar os dois. Não deu!

No trecho que andamos, perto do hotel, nada muito interessante nem diferente. Muitas lojas de comida, de miudezas e de souvenir – japoneses, of course!!! Comprei dois objetos para fazer massagem nos pés por 1800 ienes.

 

Voltei para o hotel e fui até o Dogo Hot Springhttp://www.chaharu.com/en/spa.html. Como não encontrei ninguém do grupo por lá, decidi ir dormir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *