Home

Férias 2016 – Hokkaido – Onuma Quasi National Park – 07 de junho

07/06/2016 – terça-feira

Onuma – Uma das Novas Três Vistas do Japão!

Iniciamos nosso dia conhecendo um lugar maravilhoso – Onuma.

Em 1915, baseado nas antigas Três Vistas do Japão, a editora Jitsugyo no Nihon Sha organizou uma eleição nacional para determinar uma lista das Novas Três Vistas do Japão. Uma das vencedoras foi Onuma, uma lagoa, localizada na vila de Nanae e no lado leste da Península de Oshima no sudoeste de Hokkaido, que mereceu a nossa visita.

Onuma é uma zona de lazer rodeada por montanhas, lagos e florestas.

Essa é a descrição oficial do parque. O que vimos, no entanto, vai muito além disso. O parque é um lugar belíssimo.

As plantas e suas águas formam um conjunto espetacular. Além disso, o parque oferece atividades para jovens e pudemos ver muitos deles tendo aula teórica de canoagem, num primeiro momento, e, em seguida, a prática. Todos de azul. Não soubemos a razão desse curso, mas a visão dos jovens praticando canoagem naquelas águas maravilhosas acrescentou mais cor à deslumbrante paisagem.

Vale o título de uma das três vistas do Japão!

http://www.portalmie.com/atualidade/2016/05/conheca-os-3-locais-de-beleza-cenica-do-japao/

Férias 2016 – Hokkaido – Nanae cho Konbukan Museum – 07 de junho

07/06/2016 – terça-feira

Nesse dia, paramos num lugar incrível, no Museu Nanae cho Konbukan, que mostra como é o cultivo de algas, sua trajetória ao logo do tempo, a história da indústria e a importância delas na dieta japonesa.

Além de assistirmos a um filme em 3D, vimos uma mostra dos muitos tipos de algas que eles cultivam.

Para finalizar, entramos no mercado Konbukan e pasmem…. ali soubemos o que é “Sentir e viver tudo sobre algas”. Tudo é tudo mesmo!

O mercado comunitário oferece um vasto leque de produtos, todos feitos à base de algas. Além de vender, eles oferecem degustação de quase tudo.

Nunca pensei que fosse possível fazer tantas iguarias com algas. Pois é, ao provar, a barreira do meu preconceito foi derrubada (sempre disse que detesto algas) e pude sentir, por incrível que pareça, que são ou podem ser deliciosas.

Trata-se de uma atração única, digna de ser registrada, conhecida e admirada. Por meio dela, conhecemos detalhes dessa cultura e entendemos o que as algas representam para os japoneses.

 http://kimi-tourguide.blogspot.com.br/2012/09/konbukan-kelp-shop-museum-nanae.html

Férias 2016 – Hokkaido – Almoço – “Crabs of Hokkaido” – Showa Shinzan Kumabokujo – 07 de junho

07/06/2016 – terça-feira

Essa parada para o almoço merece registro especial porque não foi um almoço qualquer.

Tratava-se de uma degustação dos famosos “Crabs of Hokkaido”, que compunham o prato principal. Lá, eles são variados e caros. Uma refeição à base de crabs merece ser celebrada (isso para quem gosta). Não é o meu caso, mas é um prato cheio para o Darcy, por exemplo.

Como eu me contento com pouco e comida não é a primeira motivação da minha vida, não sofro e me divirto. Passar parte do meu almoço para os colegas já virou rotina.

Darcy que o diga. Sempre que viajamos juntos, sentamos próximos para eu fazer a doação. Dessa vez, Walter também participou da divisão.

Acho ótimo porque como o que gosto, fico satisfeita e não sinto o constrangimento de deixar sobras. Logo que a comida chega, passo para frente aquilo que tenho certeza de que não vou comer. Um verdadeiro almoço comunitário!

 

Esse restaurante fica em Showa Shinzan Kumabokujo, uma pequena reserva de ursos em cativeiros. Há controvérsias a respeito do lugar. Uns o admiram pela possibilidade de conhecer ursos vivos, sem nenhum perigo. Outros abominam a ideia de ver animais em cativeiro.

Faz parte da visita ofertar biscoito a eles. Aqueles que não possuem nada contra os ursos que lá estão, oferecem os biscoitos, que geram uma verdadeira disputa. Vencem os mais espertos, claro, que os pegam antes que eles toquem o chão.

Showa Shinzan Kumabokujo  fica localizada perto de um “Shopping Strip de montanha”, ao longo do caminho até o Lago Toya Onsens, para onde estávamos nos dirigindo.

Cada parada representava comprinhas para uns e comidinhas para outros. Foi-se o tempo que eu ficava com as comprinhas!!!

Ah! Na impossibilidade de fazer um carinho nos ursos verdadeiros, nos contentamos com as réplicas.

 

Férias 2016 – Hokkaido – Toya Usu Global Geo Park e Lago Toya – 07 de junho

07/06/2016 – terça-feira

Toya Usu Global GeoPark é considerado um Parque Geológico Nacional e Mundial. Dele, pode-se ter uma visão do Lago Toya, em primeiro plano, e, em segundo, da ilha Nakajima, formada por lavas de 11 vulcões, alguns embaixo da água. O maior deles, Vulcão USU, destaca-se na paisagem e pode ser visto, imponente, quietinho, nos dias de hoje.

O lugar é belíssimo.

Interessante pensar que se trata, de certa forma, de uma calma aparente.

Rodeado por vulcões, numa terra sujeita a tremores de terra, fica difícil imaginar que o que vimos pode se transformar por completo algum dia.

Espero que isso não aconteça. Seria uma pena!

Lago Toya

O Lago Toya situa-se entre as cidades de Toya, no distrito de Abuta, e Sobestu, no distrito de Usu, em Hokkaido.

A superfície total do lago é a nona em extensão de todo o Japão e a terceira em lagos de origem vulcânica. É considerada uma das “100 Paisagens do Japão”, um dos “100 novos destinos turísticos do Japão” e uma das “500 rotas a pé mais belas do Japão”.

Ele tem uma forma quase circular de 11 quilômetros de leste a oeste e 9 quilômetros de norte a sul. No lago, habitam vários tipos de peixe como salmões, carpas, bagres, peixes-gato, bem como outras espécies únicas à zona, como o salmão cereja, a truta castanha etc.

No centro do lago Toya existem quatro pequenas ilhotas, conhecidas como “Nakanoshima” (lit. “as ilhas de dentro”).

http://www.toya-usu-geopark.org/?page_id=539

Férias 2016 – Hokkaido – Rusutsu Resort Hotel – 07 de junho

07/06/2016 – terça-feira

Nessa noite, dormimos no Rusutsu Resort Hotel. De Robô a Carrossel, o hotel tinha de tudo e merecia uma estadia prolongada. Não foi o caso.

Por isso, tratamos de aproveitar tudo antes de dormir.

Huang até se atreveu a conversar com o Robô. Afinal, eles se entendem, já que falam a mesma língua. Eu não arrisquei, para não passar vergonha. Robô ainda não entende mímica!

Antes do jantar, valeu tomar um banho nas águas termais (esse, sem registro, por razões óbvias). Depois, fomos explorar as dependências do hotel. O Carrossel foi diversão certa.

Tanto no jantar quanto no café da manhã, tivemos uma culinária variada e até mesmo gostosa porque, sempre que é buffet, há iguarias para todos os gostos.

http://www.westinrusutsu.com/en

Férias 2016 – Hokkaido – Meisui no Sato Kyogoku – 08 de junho

08/06/2016 – quarta-feira

Nossa primeira parada do dia foi em Meisui no Sato Kyogoku, uma estação de águas que fica perto da cidade de Kyogoku e do Monte Yotei.

As águas da chuva e a neve advindas do Monte Yotei vão para o lago existente e formam fontes de água fresca e pura, que geram produtos para serem vendidos lá.

Meisui” significa “água com gosto bom”. “Sato” significa casa. “Kyogoku” é o nome da cidade onde essa área de descanso está localizada.

O lugar é belíssimo e transmite uma paz muito grande. Vale conhecer!

http://michinoeki-e.around-japan.jp/01-Hokkaido/hokkaido-96.html

 

Férias 2016 – Hokkaido – Monte Yotei – Almoço – 08 de junho

08/06/2016 – quarta-feira

Monte Yotei! Passamos por ele. Aliás, impossível não vê-lo quando se está na região. Monte Yotei (“Yoteizan” em japonês) é uma bela montanha localizada cerca de 50km ao sul da cidade de Otaru.

Possui 1.898 metros de altura e é muito semelhante ao Monte Fuji. Por isso, frequentemente é chamado de “Ezo-fuji”. Ezo é o antigo nome de Hokkaido.

É uma montanha solitária que pode ser vista de qualquer ângulo. Na verdade, trata-se de um vulcão que teve sua última erupção há cerca de 6.000 anos. Muitos pássaros vivem ao seu redor e a seus pés há várias fontes de água fresca, como a que conhecemos.

Não há estrada para chegar ao seu pico, mas a escalada pode ser feita de trenzinho e leva de 4 a 6 horas para isso. Não subimos, of course. Não tínhamos tempo para isso, mas registramos sua imagem.

Nossa parada para o almoço foi em Sapporo.

O restaurante escolhido ficava num hotel e, por ser buffet, foi muito bom. Não houve nenhum destaque nesse almoço.

A única coisa de que me lembro foi que tentamos comprar um bolo para o Walter, aniversariante do dia, e não conseguimos. Teríamos que levar o bolo para ser comido à noite, no hotel e nenhum deles iria sobreviver até lá. 

Foi aí que todos ficaram sabendo que era aniversário dele, informação que estava sendo mantida em sigilo até então, a pedido do próprio.

 

 

Walter…o bolo que ficamos devendo!

 

Férias 2016 – Hokkaido – Otaru – 08 de junho

08/06/2016 – quarta-feira

Seguimos nosso passeio e paramos em Otaru, uma das principais cidades da ilha e província de Hokkaido. Ela está situada na subprovíncia de Shiribeshi e recebeu o estatuto de cidade no dia 1º de agosto de 1922.

Tem um porto marítimo e um canal chamado Canal de Otaru. Na primeira metade do Século 20, o canal era uma parte central do movimentado porto da cidade. Grandes embarcações eram descarregadas por barcos menores, que então transportavam produtos a armazéns ao longo do canal.

O canal se tornou obsoleto quando cais modernos permitiram o descarregamento diretamente das grandes embarcações. Contudo, graças ao movimento dos cidadãos, uma parte do canal foi restaurada nos anos 80, ao invés de ser aterrada, e os armazéns foram transformados em museus, lojas e restaurantes.

Durante o dia, o canal é um local agradável para caminhar e, segundo informações, durante a noite, antigas lâmpadas a gás são acesas para oferecer uma atmosfera romântica. Não vivemos essa experiência.

O comércio local, concentrado numa rua bastante simpática, é variado e interessante. De todas as lojas que entrei, a que mais me encantou foi a de caixinhas de música de diversos modelos e tamanhos. Lindas, minha paixão desde que era criança. Uma alegria para os olhos e um afago para o coração.

http://uu-hokkaido.com/corporate/otaru.shtml